Com a proximidade do início de um novo ano, já começam a surgir no horizonte as famosas pesquisas de clima organizacional. Nela, os funcionários têm a chance de indicar, entre outros pontos, tudo o que incomoda no ambiente de trabalho: e muitos, de fato, colocam a boca no trombone.

Mas o que a empresa faz com essas informações? É aí que mora o perigo: muitas, simplesmente, ignoram grande parte do que foi apontado. O que, com certeza, vai prejudicar o engajamento e, lá na última linha, afetar os resultados da organização.

E a parte que está sendo endereçada? Como diria aquela manjada frase do imperador romano Júlio César, “À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”. Ou seja: é preciso comunicar que o time foi ouvido e que a empresa está agindo para sanar o que foi apontado. Afinal, de nada adianta lançar uma pesquisa de clima se as informações apuradas ficam na gaveta. 

Porém, infelizmente, essa prática é comum no mercado. A Gallup publicou recentemente um artigo revelando que apenas 25% dos funcionários acreditam que as empresas levam em conta suas opiniões. 

Se sua organização quer “ficar bem na fita”, é importante não apenas escutar, mas comunicar que escutou, que entendeu e que vai fazer alguma coisa. Como? Use todo o arsenal de canais de comunicação, ações de engajamento e, dependendo do assunto, campanhas de endomarketing para fazer valer o pensamento do ilustre cidadão romano. 

Isso vai ajudar no engajamento, no senso de pertencimento e, também, no resultado final da empresa. Bora comunicar? 

Gostou deste artigo? Então, curta nossa página no LinkedIn.