O mundo é feito de histórias. Uma conversa com seu colega de trabalho, o reencontro com um amigo de longa data e, até mesmo, as poucas palavras trocadas com algum desconhecido dentro do elevador. Algumas dessas histórias ficam martelando na mente por serem interessantes ou por mexerem com as emoções. Outras passam despercebidas. Tudo depende do quão relevante é o assunto.

Isso mostra que é preciso ser interessante para ser recordado. Para atingir essa meta, é essencial apostar em uma boa história, que consiga cativar o seu interlocutor e, ao mesmo tempo, passar informações relevantes para ele. Pesquisas feitas nos Estados Unidos apontam que uma história é 22 vezes mais lembrada do que um fato isolado.

Histórias funcionam como ferramentas perfeitas de comunicação e engajamento por, pelo menos, quatro razões: são mais fáceis de serem lembradas; são reais e, por isso, passam credibilidade; são mais efetivas emocionalmente e, por fim, fazem o leitor se sentir parte da trama.

Mas como encontrar boas histórias dentro de uma empresa? Antes de mais nada, é preciso ter em mente que toda a comunicação é estratégica. Ninguém diz algo sem ter um objetivo. Portanto, se a meta da empresa é fazer com que determinados comportamentos sejam difundidos para todos, não perca tempo acreditando que apenas murais com os valores da empresa ou protetores de tela que, a cada cinco minutos, relembram que o trabalhador deve amar o que faz vão tirar os desafios da frente.

O caminho é um pouco mais trabalhoso e, com certeza, mais frutífero. Pense naquele funcionário que represente exatamente o que a empresa quer dizer e conte essa história. Os demais terão, pelo menos, as quatro razões já mencionadas para se identificarem, o que vai gerar engajamento, mudança de comportamento e melhora de resultados. Em vez de ficar pedindo por mudanças, mostre como elas devem ser feitas. Conte-me uma boa história e eu me lembrarei de você para sempre.